FeLV – O Vírus da Leucemia Felina

O Vírus da Leucemia Felina (FeLV na nomenclatura anglo-saxónica) é um oncovírus associado a doenças tumorais e imunossupressoras.

FeLV – O Vírus da Leucemia Felina

07/07/2009
felv-685x548.jpg

O Vírus da Leucemia Felina (FeLV na nomenclatura anglo-saxónica) é um oncovírus associado a doenças tumorais e imunossupressoras.

Os gatos infectados transmitem grandes quantidades de vírus na saliva; o vírus também está presente na urina, lágrimas e leite. A transmissão entre gatos ocorre durante a exposição a qualquer um destes fluidos, através de lutas, cuidado da pelagem ou partilha de taças de alimento e areão. As mordeduras são provavelmente a forma mais eficiente de transmissão do vírus, mas contactos prolongados com gatos infectados aumentam a probabilidade de outros gatos o contraírem. A transmissão pode ocorrer ainda, por via transplacentária e transmamária, pelo que gatinhos bebés podem ser infectados pela mãe.

Os sinais clínicos da doença não podem ser distinguidos daqueles descritos para o FIV, uma vez que dão sintomas gerais: febre, anemia, falta de apetite, perda de peso, infecções secundárias, etc. Contudo, o FeLV tem a particularidade de poder provocar doenças tumorais e o Linfoma é o tumor mais comummente associado.

O tratamento de gatos com FeLV passa por tentar controlar infecções oportunistas e controlar os sintomas, visto que não há um tratamento que elimine o vírus.

A prevenção pode ser feita através de vacina porém, é aconselhável separar animais FeLV positivos dos outros que o não são, visto que a vacinação pode não ser 100% eficaz. Antes de fazer a vacinação é conveniente fazer o teste, para saber se o animal já foi ou não infectado.

Apesar do aparente baixo risco de transmissão entre espécies, pessoas imunocomprometidas, incluindo mulheres grávidas e recém-nascidos, não devem ser expostos a animais com FeLV. Além disso, gatos doentes podem ser um reservatório de Toxoplasmose e Criptosporidiose, representando um risco inaceitável para pessoas com um sistema imunitário deficiente.

Um conselho Bola de Pêlo, amigos para sempre!

Joana Brito (Médica Veterinária)


2 comentários

  • Avatar
    Liliana Sofia

    24/09/2019 at 02:01

    Boa noite, tenho 2 gatos em casa que vão à rua ( porta de casa) sobre a minha vigilância. Entretanto apareceu uma gata e acabei por ficar com ela mas sem contato com os 2 gatos. Fica num anexo ao lado da minha casa. Descobri hoje que ela é portadora de felv. Estou preocupada porque vi o gato mais novo a cheirar lhe o nariz por 2 ou 3 vezes (fracção de segundos), porque nunca deixei terem contato. Será o suficiente para o gato ter contraído a felv? Obrigada

    Responder

    • Bola de Pêlo
      Bola de Pêlo

      25/09/2019 at 14:50

      Boa tarde Liliana.

      Uma das formas de transmissão possíveis é através da saliva ou secreções nasais. No entanto, se o contacto foi assim tão breve, seria preciso muito azar para haver transmissão. Para ficar mais descansada, teste os seus gatos (não já – aguarde pelo menos um mês).

      Joana Brito
      Médica Veterinária

      Responder

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos assinalados com * são obrigatórios


© Copyright 2008-2020 Bola de Pêlo, Lda (Todos os Conteúdos)

Powered by iFlexi OpenSite