Mr. Bean – Um Caso de Lipidose Hepática

27/02/2014
Mr.-Bean-ER-red-685x514.jpg

A lipidose hepática afecta geralmente gatos gordos e é a doença hepática mais comum em gatos. Trata-se de uma hepatopatia aguda em que há uma acumulação massiva de gordura nos hepatócitos, conduzindo a uma perda aguda da função hepática.

A origem da patologia não é completamente conhecida, mas parece envolver a combinação de vários factores como: excessiva mobilização de gordura periférica e deficiente concentração proteica na dieta. Essa mobilização da gordura periférica ocorre particularmente após um período de anorexia prolongada ou de stress em gatos obesos.

A lipidose hepática também pode ser secundária a uma doença pré-existente que provoque anorexia: pancreatite, diabetes mellitus, doença inflamatória intestinal, neoplasia, etc.

Os gatos afectados podem apresentar anorexia, apatia, vómito intermitente, icterícia e desidratação.

O tratamento passa por alimentar estes gatos de forma intensiva, o mais precocemente possível, para além das medidas de suporte como a administração de soro e medicação apropriada para o vómito e protectores hepáticos, em particular antioxidantes.

Por essa razão, é geralmente necessário colocar tubos de alimentação para forçar o animal a comer. É o caso do nosso amigo Mr. Bean, que desenvolveu uma lipidose hepática como complicação da diabetes. Colocámos-lhe uma sonda naso-esofágica para o podermos alimentar com o mínimo de incómodo, em pequenas porções ao longo do dia, assegurando as suas necessidades calóricas diárias até finalmente recuperar o apetite e comer por si.

A recuperação pode ser lenta, mas quando a situação é bem controlada consegue-se uma recuperação total.

Joana BritoFoto Dra. Joana Brito (Médica Veterinária)


2 comentários

  • Nice

    05/08/2015 at 20:33

    Boa tarde! Tenho um gato de cerca de 2 anos que nunca apresentou problemas de saúde e sempre se alimentou bem não apresentando excesso de peso. Há cerca de 3 meses percebi ele bem mais magro e comendo menos… bem pouco. Também percebi uma mancha avermelhada num dos seus olhos que às vezes parecia sangue. Ele teve febre por uns 2 dias e depois melhorou, porém continuou magro. Há mais ou menos duas semanas ele apresentou problemas de saúde novamente e dessa vez a preocupação foi pela febre constante seguida de outros sintomas como: perda do apetite, emagrecimento, isolamento (fezes e urina normal … sem vómito). Levei-o ao veterinário que examinou superficialmente e não constatou nada (disse que poderia ser uma infecção mas não pediu exame nenhum)… ainda cheguei a questionar sobre o olho avermelhado e ele disse não ser nada. Medicou o gato e pediu para aguardar 48 horas. Não teve melhoras e voltei ao veterinário que deu a mesma medicação e pediu para aguardar mais 48 horas. Como não teve melhoras eu voltei lá e questionei se ele não iria pedir nenhum exame pois eu mesma, leiga no assunto, sabia que o gato não estava bem e já me tinha informado sobre algumas doenças que poderiam provocar o mesmo sintoma… e então ele pediu o exame. Ontem 04/08 chegou o resultado e o diagnóstico deu negativo para FIV e FeLV e ele disse-me que o resto estava tudo normal. Questionei mais uma vez que o gato tinha algum problema já que a febre não passava e ele não tinha melhoras e ele alegou apenas que poderia ser uma bactéria e receitou Baytril por 10 dias (nesse período eu tenho a certeza que o meu gato morreria). Hoje de manhã procurei outro veterinário que rapidamente examinou o meu gato, conferiu o resultado do exame que ele tinha feito e verificou que lá já constava que o gato estava com icterícia e deu-me o diagnostico de 90% de certeza de ser lipidose hepático e também pelo próprio conhecimento dele. O meu gatinho ficou internado. Eu não queria.. fiquei em choque… chorei, mas ele disse ser a única alternativa neste momento para ele… caso contrário não resistiria porque o quadro dele está bem crítico. Disse-me que o internamento seria essencial neste momento para receber a medicação apropriada… o soro para hidratação e principalmente a alimentação adequada. Confiei neste médico e espero ansiosamente pelos próximos dias. Do seu ponto de vista, que já passou por isto, acredita que realmente possa ser lipidose hepática? O meu gato nunca foi obeso e também não teve sintomas como vómito e alto consumo de água. Acha que com o tratamento certo ele irá recuperar? O médico não garantiu que ele sobreviva, mas disse que uma coisa a favor é o facto do fígado regenerar-se bem. Eu fiquei com muito dó de o deixar lá mas ao mesmo tempo fiquei com medo de o levar para casa e não conseguir o tratamento sozinha já que há 2 dias que ele não quer comer nada. Qualquer ajuda eu agradeço.

    Responder

    • Bola de Pêlo
      Bola de Pêlo

      05/08/2015 at 22:24

      Boa noite, Nice.

      Sim, de facto o seu gato pode ter lipidose hepática. Mesmo que não seja a origem do problema, ele pode tê-la desenvolvido por estar sem comer há já algum tempo. A medicação de suporte, o soro e medicação “protectora” do fígado ajudam e são importantes na recuperação, mas o factor mais importante é conseguir alimentar o gato. Como eles não comem espontaneamente temos que os forçar, seja dando comida com seringa ou mesmo recorrendo à colocação de tubos de alimentação – eu gosto muito dos tubos naso-esofágicos; são fáceis de colocar (só com anestésico local) e são bem tolerados pelos animais. O único inconveniente é que são muito estreitos pelo que a comida por ali administrada tem que ser muito bem passada e líquida. Já tenho tratado alguns gatos desta forma e, desde que eles não vomitem a comida administrada, acabam quase sempre por recuperar.

      Peça ao seu veterinário que tente colocar-lhe um tubo destes caso não seja possível alimentar o seu gato por meio de uma seringa.

      Muito boa sorte e as melhoras rápidas dele!

      Joana Brito (Médica Veterinária)

      Responder

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos assinalados com * são obrigatórios


© Copyright 2008-2017 Bola de Pêlo, Lda (Todos os Conteúdos)

Powered by iFlexi OpenSite